Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/23049

Title: Cortisol fecal em ovinos: curva de excreção e estabilidade
Authors: Lina, Pulido
Pereira, Alfredo
Longo, Luísa
Titto, Cristiane
Titto, Evaldo
Hooper, Henrique
Keywords: cortisol
fezes
Issue Date: 2017
Publisher: Sociedade Brasileira de Biometeorologia
Citation: 1. PULIDO-RODRIGUEZ, L. F. ; PEREIRA, A. M. F. ; LONGO, A. L. S. ; TITTO, C. G. ; TITTO, E. A. L. ; HOOPER, H. B. . Cortisol fecal em ovinos: curva de excreção e estabilidade. In: VII - Congresso Brasileiro de Biometeorologia, Ambiência, Comportamento e Bem-estar Animal, 2017, Jaboticabal. VII - Congresso Brasileiro de Biometeorologia, Ambiência, Comportamento e Bem-estar Animal, 2017. p. 1-1.
Abstract: Objetivou-se determinar a curva de excreção do cortisol fecal perante exposição a uma situação de estresse, correlacionando com concentrações de cortisol sanguíneo. Foram colhidas as fezes de seis fêmeas mestiças (Dorper x Santa Inês) durante 24 horas após a aplicação do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), além de colheitas de sangue realizadas antes da aplicação do ACTH (0,6 UI por kg PV, Porcine ACTH 1-24, Sigma, St. Louis, MO, USA), 60, 120 e 300 minutos depois. Os dados da curva de excreção foram analisados por ANOVA, bem como pela correlação entre os valores de cortisol sanguíneo, fecal e reatividade. Para avaliação das variáveis comportamentais foi realizada a transformação de escala dos dados para “arco-seno raiz de porcentagem”, procedendo-se à análise de variância com efeitos de dia (1, 2 e 3) com análise individual por animal. Os parâmetros de cortisol sanguíneo, frequência respiratória e temperatura retal foram analisados pelo teste t e correlação de Pearson. Todas as comparações de médias foram realizadas por teste F e teste t (PDIFF). A reatividade durante a colheita não exerceu efeito significativo sobre os valores de cortisol sanguíneo. Os valores de cortisol sanguíneo apresentaram médias maiores aos 60 minutos após a aplicação do ACTH e, após 300 minutos as ovelhas apresentaram níveis de cortisol considerados normais para ovinos sem estresse. Por outro lado, o pico de cortisol nas fezes foi verificado aproximadamente 10 a 12 horas após o pico de cortisol no sangue, não sendo verificadas diminuições significativas nas concentrações que indicassem o retorno aos níveis basais durante o período de 24 horas (P>0,05).
URI: http://www.sbbiomet.org.br/anais
http://hdl.handle.net/10174/23049
Type: lecture
Appears in Collections:ICAAM - Comunicações - Em Congressos Científicos Internacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
2017 sbbiomet_lina_pulido2017._358011498832558.pdf529.42 kBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois