Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/17231

Title: Funções, usos e degradação do solo.
Authors: Alexandre, Carlos
Editors: Figueiredo, T.
Fonseca, F.
Nunes, L.
Keywords: Solo
Degradação do solo
Desertificação
Uso da terra
Issue Date: Jun-2015
Publisher: Instituto Politécnico de Bragança
Citation: Alexandre, C. 2015. Funções, usos e degradação do solo. In: Figueiredo, T., Fonseca, F. & Nunes, L. (Eds.) Proteção do Solo e Combate à Desertificação: oportunidade para as regiões transfronteiriças. Instituto Politécnico de Bragança - Escola Superior Agrária. Bragança.
Abstract: A realidade da crise económica actual, no nosso País e em grande parte da Europa, devolveunos aos nossos limites territoriais e à necessidade premente de aproveitarmos melhor os recursos naturais que temos, entre os quais o solo. O solo é o meio natural para o crescimento das plantas. Apesar da sua ubiquidade é um recurso finito, não renovável à escala de tempo da vida humana, sujeito a rápida degradação e do qual depende 99% da produção de biomassa à escala global, quer para alimentação humana e animal quer para fornecimento de fibras a vários tipos de indústrias. Sendo parte integrante dos ecossistemas terrestres, o solo desempenha muitas funções e serviços, nem sempre devidamente valorizados: de aprovisionamento (fornece biomassa, matériasprimas e recursos genéticos), de regulação (de ciclos envolvidos nas alterações climáticas – água, carbono, azoto – e dos restantes ciclos biogeoquímicos), de suporte (à biodiversidade e a infraestruturas) e culturais (contém informação de interesse científico, cultural e artístico). No actual contexto nacional assiste-se a uma tendência louvável para um melhor aproveitamento do recurso solo, com expansão da produção agrícola e florestal. Contudo, a história recente pode ajudar-nos a aprender com os erros cometidos em outros períodos de grande pressão sobre o solo (“lei da fome”, campanha do trigo). Com o conhecimento e as tecnologias actuais é possível conciliar produção e sustentabilidade de modo a não deixar um legado de solos ainda mais degradados do que aquele que recebemos. Nas regiões do interior, pelo contrário, o desenvolvimento agrícola e florestal sustentável será a principal via para recuperar o solo, aumentar a resistência e resiliência à desertificação e travar o despovoamento. Os solos de um país representam um valor difícil de quantificar mas, indubitavelmente, a sua degradação representa uma perda de património, privado e público, que afectará muitas gerações vindouras. Perante as dificuldades em implementar uma Estratégia Temática de Protecção dos Solos para a União Europeia, é urgente fazer como outros países e elaborar uma Estratégia Nacional de Protecção do Solo. Para isso devem-se mobilizar os principais agentes sectoriais com intervenção no recurso solo (agricultura, ambiente, florestas, urbanismo,…), de âmbito nacional e regional, públicos e privados (ministérios, municípios, universidades, sociedades científicas, associações de produtores,…). Esta Estratégia constituiria um quadro de referência para aplicação de políticas com instrumentos de intervenção sectoriais, balizando tipos de uso e práticas de gestão para diferentes tipos de uso do solo.
URI: http://hdl.handle.net/10174/17231
Type: bookPart
Appears in Collections:ICAAM - Publicações - Capítulos de Livros

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Alexandre_2015_Funções_usos_e_degradação_do_solo.pdf1.73 MBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois