Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/32258

Title: O mármore alentejano como produto global: produção, actores e exportação (1946-1986)
Authors: Quintas, Armando
Matos, Ana Cardoso de
Editors: Matos, Ana Cardoso de
Profirio, José
Freitas, Pedro Caridade de
Keywords: Marmóre
Exportação de Marmore
Empresas de Mármore
Alentejo
Issue Date: 2022
Publisher: Almedina
Citation: Armando Quintas e Ana Cardoso de Matos “O mármore alentejano como produto global: produção, actores e exportação (1946-1986)” in Ana Cardoso de Matos, José Profirio, Pedro Caridade de Freitas (coord), Mármore - 2 000 Anos de História e Património. O Contributo dos Mármores do Alentejo para um Percurso Global. Volume IV, Lisboa, Ed. Almedina, 2022, pp. 317- 368.[ISBN: 978-989-53156-2-8]
Abstract: A indústria do mármore do Alentejo conheceu a partir da década de 1950 e até 1973 um grande crescimento favorecido pela abertura da economia aos investimentos estrangeiros, e pelos apoios e planos de desenvolvimento que foram colocados em prática nesta altura e que incentivaram a intensificação da exploração, a adopção de novas tecnologias e o aumento dos montantes e dos valores da exportação, assim como o alargamento dos mercados de destino. No quadro geral da indústria, o crescimento desta indústria deu-se, sobretudo, através do estabelecimento de uma série de empresas que foram abrindo novas pedreiras e criando novas oficinas de transformação. Estas novas empresas alteraram completamente o panorama da exploração do mármore e a sua importância económica pode ser verificada nos recenseamentos industriais realizados em 1957 e em 1972. Em 1975-1976, lançou-se o Programa de Aproveitamento dos Recursos Minerais e, em 1985, o Plano Mineiro Nacional, iniciativas que propunham soluções para o futuro desta indústria e faziam eco de problemas que já tinham sido abordados anteriormente. Em 1986, ou seja, nas vésperas da entrada de Portugal na então CEE –Comunidade Económica Europeia, as pedreiras de Estremoz, Borba e Vila Viçosa tinham-se tornado as mais importantes do país pelo seu número, pela sua modernização técnica, pelos valores de extracção e pelos valores de venda nos mercados internacionais. O mercado exportador alargara-se de forma muito marcante durante o período de 1946-1986 e os valores de exportação aumentaram exponencialmente, fazendo desta zona de exploração de mármores a mais importante do sector das rochas ornamentais do país e promovendo um grande desenvolvimento da própria região. Ao longo deste período a indústria dos mármores ganhou uma enorme escala e dimensão, o que lhe possibilitou competir a nível internacional com os outros países produtores de mármores, também integrados no mercado comunitário.
URI: http://hdl.handle.net/10174/32258
Type: bookPart
Appears in Collections:CIDEHUS - Publicações - Capítulos de Livros

Files in This Item:

File Description SizeFormat
O Mármore Alentejano como produto global pptx.pdf131.65 kBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois