Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/8710

Title: Efeitos da mobilização do solo e do controlo da vegetação no teor de água do solo em olivais no Alentejo.
Authors: Alexandre, Carlos
Andrade, José
Afonso, Teresa
Keywords: solo
olival
mobilização do solo
água do solo
Issue Date: Jul-2007
Publisher: Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal
Citation: Alexandre, C., Andrade, J. & Afonso, T. 2007. Efeitos da mobilização do solo e do controlo da vegetação no teor de água do solo em olivais no Alentejo. Revista de Ciências Agrárias, Vol. 30, 2: 217-232.
Abstract: Este trabalho compara o teor de água do solo, entre Janeiro de 2004 e Abril de 2005, em resultado da aplicação de 3 técnicas de controlo da vegetação herbácea em olivais jovens: cobertura com luzerna, Medicago spp. (L), mobilização tradicional (M) e não mobilização (N). A área em estudo localiza-se na Herdade dos Lameirões (DRAAl), Safara, a leste de Moura, envolvendo 6 parcelas de olival (var. “Galega”) situadas numa encosta com 4-5% de declive, num Solo Calcário Vermelho Para Barro derivado de calcários não compactos associados a xistos (Vc‘), Cambissolo Vértico-Calcárico (Crómico) na terminologia WRBSR. A humidade do solo foi objecto de três tipos de monitorização: irregular (humidade gravimétrica), principalmente na camada 0-10 cm; periódica, quase quinzenal, com sondas PR1 (Delta-T)* até aos 40 cm; e contínua, com as mesmas sondas e profundidades anteriores. Atendendo às limitações das sondas PR1 em solos argilosos, os resultados são analisados comparativamente. O tratamento L teve uma redução mais rápida da humidade na camada 0 a 20 cm nos períodos com maior desenvolvimento vegetativo e durante o Inverno de 2005 (com temperaturas mínimas muito baixas, grandes amplitudes térmicas diárias e extrema secura). O tratamento M evidencia maior descontinuidade do perfil hídrico dos 10-20 cm para os 20-30 cm, indiciando menor drenagem para as camadas subjacentes aos 20 cm. O mesmo tratamento registou maiores variações de humidade entre os 0 e os 20 cm, durante o Verão de 2004, em que se manteve com solo nu, diferença que pode dever-se a uma maior intercepção e evaporação pelos resíduos vegetais existentes à superfície nos tratamentos L e N. O tratamento N indicia um perfil hídrico mais homogéneo: a ausência de mobilizações permite uma maior variação da humidade nas camadas subjacentes aos 20 cm do que no tratamento M e o controlo da vegetação (com herbicida na linha e corte na entrelinha) origina menores perdas de humidade entre os 0 e os 20 cm do que no tratamento L. (* Referência apenas com fins informativos).
URI: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rca/v30n2/v30n2a16.pdf
http://hdl.handle.net/10174/8710
Type: article
Appears in Collections:ICAAM - Publicações - Artigos em Revistas Nacionais Com Arbitragem Científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
2007_Alexandre&al_RCA_30_2_217-232_spcsEA2005_OlivalAguaSolo.pdf357.14 kBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois