Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/2986

Title: DIREITO DE ACESSO À ÁGUA - PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PARA SEU USUFRUTO NA AGRICULTURA
Authors: Henriques, Pedro Damião de Sousa
Branco, Manuel Couret
Fragoso, Rui Manuel de Sousa
Carvalho, Maria Leonor da Silva
Keywords: sustentável
irrigação
preço
oferta
procura
mercado
Issue Date: 2006
Citation: Henriques, P.D., M.C.Branco, R.Fragoso, M.L.S.Carvalho, “Direito de acesso à água: Princípios Económicos para seu usufruto na agricultura”, paper apresentado no VI Encontro de Economistas de Língua Portuguesa,Luanda, Angola, 11-13/04/2006.
Abstract: A água é um recurso natural renovável, imprescindível à vida humana. Na natureza existe de uma forma relativamente abundante, encontrando-se, na maior parte dos casos, no estado líquido, tendendo a fluir, evaporar-se ou infiltrar-se ao longo do ciclo hidrológico, tornando difícil a identificação e medição de cada unidade específica do recurso e a definição de direitos de propriedade exclusiva com base numa economia de mercado. No entanto, são frequentes as situações em que não está disponível no instante e no local em que é necessária, o que lhe confere a característica de recurso escasso. Durante muito tempo, a resolução dos problemas da escassez de água assentaram numa política hidráulica de fomento da disponibilidade de recursos hídricos acessíveis, baseada quase exclusivamente em critérios ligados à oferta. A procura de usos consumptivos de água tem essencialmente duas componentes, a procura urbana e a procura do sector agrícola. Estas procuras podem ser competitivas ou não, dependendo de como estão construídos os sistemas de abastecimento. Actualmente, a crescente e elevada pressão na procura de recursos hídricos motivou a correcção e regulação dos desequilíbrios entre a oferta e a procura de água, mediante a introdução de restrições económicas e institucionais na gestão desses recursos. A tendência actual visa, principalmente, promover projectos sustentáveis do ponto de vista económico e financeiro e do uso do recurso. Aqui, a política de preços públicos e os mecanismos de recuperação dos custos com a água podem ter um papel importante na gestão racional do recurso. A irrigação é a técnica de aumentar e controlar a quantidade de água disponível para as culturas, sendo suplementar à água da chuva e à humidade atmosférica. A oferta e a procura de água para rega apresentam características que a diferenciam dos outros bens económicos, devido à existência das chamadas falhas de mercado, sendo por isso difícil a formação de um preço e de uma quantidade de equilíbrio, como se verifica para os outros mercados competitivos. Há quem considere a água um presente da natureza, logo um bem livre, sem preço e de oferta ilimitada. No entanto, o mercado da água de rega apresenta falhas de mercado que caiem no âmbito das externalidades, dos bens de mérito e dos recursos de propriedade comum. A necessidade para a existência de uma política de irrigação deve-se a falhas de mercado e ao facto de não ser possível definir na totalidade os direitos de propriedade para a água como recurso ou factor de produção. As principais questões levantadas pela política de irrigação estão ligadas essencialmente à eficiência na captação, na gestão e na utilização da água disponível. A eficácia da política de irrigação no aumento da produção agrícola e da equidade depende da capacidade em ultrapassar as restrições técnicas e sócio-económicas que estão associadas a cada sistema de produção agrícola. Nesta perspectiva, a irrigação levanta questões que dizem respeito à oferta e à procura de água para irrigação; ao papel do estado na promoção das infra-estruturas de irrigação e na escolha dos respectivos modelos de gestão; à escolha das tecnologias de irrigação e à distribuição pelos agricultores dos custos do fornecimento da água de irrigação.A fixação do preço da água de rega, por parte do Estado, deverá ter em conta as seguintes considerações técnicas e económicas: a captação, o armazenamento, o transporte e a distribuição da água de rega; a manutenção e a operação dos sistemas de irrigação; as externalidades negativas provocadas pela construção, distribuição e operação dos sistemas de rega; a criação de todas as condições para que a água possa ser perpetuamente utilizável e disponível para as gerações futuras. Com este artigo pretende-se fazer um enquadramento teórico e uma revisão bibliográfica sobre o tema da economia da água de rega.
URI: http://hdl.handle.net/10174/2986
Type: lecture
Appears in Collections:GES - Comunicações - Em Congressos Científicos Internacionais
ICAAM - Comunicações - Em Congressos Científicos Internacionais
CEFAGE - Comunicações - Em Congressos Científicos Internacionais
ECN - Comunicações - Em Congressos Científicos Internacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DIREITO DE ACESSO À ÁGUA - PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PARA SEU USUFRUTO NA AGRICULTURA_2006.pdf143.92 kBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois