Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/11043

Title: Estudo Eco-Morfológico de Duas Herbáceas Ruderais da Flora Portuguesa (salvia vernebenaca L. e Scabiosa atropurpurea L.)
Authors: Castro, Maria da Conceição Martins Lopes de
Keywords: Herbáceas ruderais
Flora portuguesa
Salvia verbenaca l.
Scabiosa atropurpurea l.
Plantas espontâneas
Issue Date: 1997
Publisher: Universidade de Évora
Abstract: "Sem resumo feito pelo autor"; - A investigação em plantas espontâneas herbáceas com vista à sua utilização para fins ornamentais, não tem sido muito frequentemente realizada em Portugal, pese a importância das espécies autóctones e o interesse que têm vindo a suscitar nas últimas duas décadas, sublinhando-se o contributo de alguns países, para a divulgação e pesquisa de tão valioso material vegetal. Assim, considerou-se interessante o estudo do comportamento eco-morfológico de duas espécies ruderais da flora portuguesa, Salvia verbenaca L. e Scabiosa atropurpurea L.. Possuindo flores com eventual interesse ornamental, parecem caracterizar-se por uma estratégia adequada, na instalação e perpetuidade em locais que apresentem dificuldades a outros tipos de revestimento mais exigente. As espécies em causa constituem um material cujas características são pouco conhecidas pelo que o objectivo deste trabalho se centrou na realização de estudos estruturais e da distribuição da fitomassa, nas referidas espécies, face a densidades de sementeira preestabelecidas, quer em cultura estreme quer em consociação. Em simultâneo estudou-se o comportamento radical. A primeira abordagem relativamente às espécies em causa, consistiu na caracterização das condições edafo-climáticas do seu "habitat" natural, numa área relativamente restrita (Évora, Estremoz e Alter do Chão). Para tanto, efectuaram-se visitas a vários locais inseridos nesta área, no sentido de acompanhar o ciclo sazonal das plantas e recolher sementes para ensaios de comportamento germinativo em ambiente controlado e posterior utilização em sementeira de campo. A caracterização qualitativa das sementes foi feita pela avaliação do grau de pureza, comportamento germinativo, peso das sementes e número de sementes por grama. Posteriormente, delineou-se um ensaio totalmente casualizado, com a duração de dois anos, preconizando-se onze tratamentos com oito repetições, tendo-se utilizado quatro em cada ano. Cada uma das espécies, Salvia verbenaca L. (Sv) e Scabiosa atropurpurea L.(Sa), foi semeada em estreme com as seguintes densidades: 20 000, 15 000, 10 000 e 5 000 sementes viáveis. Ambas as espécies foram igualmente semeadas em consociação : 15 000 (Sv) e 5 000 (Sa); 10 000 (Sv) e 10 000 (Sa); 5 000 (Sv) e 15 000 (Sa), sementes viáveis. O lote de sementes de Salvia verbenaca L. apresentou um grau de pureza superior ao de Scabiosa atropurpurea L. A taxa germinativa média mais elevada ocorreu à temperatura de 20 °C, em ambas as espécies. Quanto à velocidade germinativa (T50), foi mais elevada à temperatura alterna 20-30 °C. O peso de mil sementes de Salvia foi superior ao de igual número de sementes de Scabiosa. A fim de contribuir para a caracterização da estrutura do coberto, analisou-se o índice de área foliar (LAI) e a distribuição dos ângulos das folhas, em ambas as espécies. O índice de área foliar, referente aos órgãos fotossinteticamente activos foi estudado assumindo a planta como um "todo". Assim, os valores obtidos foram analisados em função das datas de corte e dos tratamentos, quer em estreme quer em consociação, tendo-se verificado estatisticamente diferenças significativas (P<0,01). No que concerne ao primeiro ano de ensaio e à sementeira estreme, em ambas as espécies, os valores do LAI tenderam a ser crescentes de Janeiro a Junho, decrescendo acentuadamente a partir deste mês. No que concerne ao comportamento em consociação, os valores observados foram inferiores aos da sementeira estreme, embora se tenha verificado semelhante tendência de evolução. No segundo ano de ensaio e em sementeira estreme, verificou-se um certo equilíbrio entre espécies. Em consociação, os valores obtidos em ambas as espécies foram significativamente inferiores aos verificados em sementeira estreme. As correlações entre os valores do LAI e as densidades de sementeira, quer em estreme quer em consociação, foram positivas mas não significativas (P>0,05). Uma análise global do comportamento das duas espécies, quer em estreme quer em consociação, mostrou uma tendência para que a Scabiosa tenha apresentado, em média, valores do LAI superiores aos da Salvia. Os ângulos das folhas foram medidos por estratos e ao longo do ciclo sazonal das plantas, quer em estreme quer em consociação. Em qualquer uma destas situações, constatou-se a tendência para o aumento do valor médio dos ângulos, ao longo da sucessão das datas de corte e à medida que se progredia dos estratos inferiores para os superiores. Quando em consociação, os valores de ambas as espécies tenderam a ser inferiores aos obtidos em sementeira estreme. Analisando os resultados obtidos no segundo ano, constatou-se que de um modo geral ambas as espécies apresentaram valores superiores aos do primeiro ano. Uma apreciação conjunta das duas espécies, quer em estreme quer em consociação, revela que, em média, os ângulos das folhas da Salvia foram inferiores aos da Scabiosa e que, em consociação esta diferença foi mais relevante. Os valores obtidos foram significativamente diferentes (P<0,01) entre tratamentos. As correlações entre os valores dos ângulos e as densidades de sementeira, estremes e consociadas, foram positivas mas não significativas (P>0,05). A produção foi avaliada através de recolhas periódicas de fitomassa, ao longo do ciclo sazonal das espécies em estudo. No primeiro ano e referindo a cultura estreme, parece ter havido em ambas as espécies a tendência para um pico de produção em Junho. Em consociação, observaram-se valores que, em média, foram inferiores aos verificados em estreme. A evolução do peso seco da fitomassa, na Salvia parece ter indicado a ocorrência de um pico de produção entre Abril e Maio, enquanto a Scabiosa parece ter atingido a máxima produção em Junho. O segundo ano de ensaio revelou produções de fitomassa superiores, relativamente ao primeiro ano, em ambas as espécies, parecendo ter havido tendência para um pico comum de produção em Maio. Quando em consociação, verificou-se um decréscimo de produção, relativamente à cultura estreme, apresentando a Scabiosa uma tendência para a máxima produção, entre Maio e Julho. A distribuição dos valores médios da fitomassa em função das datas de corte e dos tratamentos, quer em estreme quer em consociação, foi significativamente diferente (P<0,01), em ambos os anos. A associação entre a distribuição dos valores da fitornassa e as densidades de sementeira traduziu-se por correlações não significativas (P>0,05). Uma apreciação global da distribuição da fitomassa permitiu verificar uma clara tendência para que, em média, as produções da Salvia tenham sido inferiores às da Scabiosa, para as mesmas densidades de sementeira, em estreme. Quando em consociação, manteve-se o mesmo comportamento da Salvia, relativamente à Scabiosa, mesmo quando aquela se encontrava em superioridade de densidade de sementeira. Constatou-se ainda, que em ambas as espécies, as produções em consociação foram significativamente inferiores, quando comparadas com as obtidas em cultura estreme. A fitomassa foi dividida em três componentes, estruturas vegetativas, estruturas de suporte e estruturas reprodutivas. Assim, as estruturas vegetativas, constituídas pelas folhas (verdes, amarelas e mortas) revelaram valores médios de peso seco que foram significativamente diferentes (P<0,01) quando analisados em função das datas de corte e dos tratamentos, quer em estreme quer em consociação, em ambos os anos de ensaio. O segundo ano de ensaio revelou valores de peso seco que, em média, foram superiores aos do primeiro ano. As correlações entre os valores do peso seco das folhas de ambas as espécies e as densidades de sementeira, quer em estreme quer em consociação, revelaram-se não significativas (P>0,05). O comportamento de ambas as espécies foi muito diferente, revelando as consociações valores inferiores aos obtidos em Abstract Research finto wild herbaceous plants with a view to their being used for ornamental purposes ias not been frequently undertaken in Portugal, considering the importance of native wild flowers and the interest that ias been shown in them in the last two decades, underlined by the contribution of several countries to increasing the awareness of and to investigating such valuable vegetal material. It was, therefore, decided to undertake the study of the eco-morphological capacity of two wild species of Portuguese flora, Salvia verbenaca L. and Scabiosa atropurpurea L. As well as being flowers with an eventual ornamental interest, they seem to be characterized by a suitable strategy for establishing and maintaining themselves in afites which present difficulties to other species. The species under consideration are composed of material whose characteristics are very little known, for which reason the objective of tiús work focuses on studies of the structure and of the distribution of the phytomass in the respectiva plants, in relation to the densities of pre-established seeding, whether unmixed, or mixed. The first consideration in relation to the species under study comprised the characterization of the edapho-climatic conditions of their natural habitat in a relatively restricted area, (Évora, Estremoz and Altar do Chão). For this, visits were marfe to various, selected placas in this ares, with the purpose of following the seasonal cycle of the plants, and collecting seeds for experimenta on germination capacity in a controlled environment and, later, for use in seeding in the field. The qualitativa characterization of the seeds was made to evaluate seed purity, germination capacity, the weight of the seeds and the number of seeds per gramme. Later, a two years recognized experiment was performed comprising eleven treatments with eight completely random-selected plots, four being used in each year. Each of these species, Salvia verbenaca L. (Sv) and Scabiosa atropurpurea L. (Sa), was sown unmixed with the following densities: 20 000, 15 000, 10,000, and 5 000 viable seeds. Both species were also sown in a mixture: 15 000 (Sv) and 5 000 (Sa); 10 000 (Sv) and 10 000 (Sa); 5 000 (Sv) and 15 000 (Sa) viable seeds. The Salvia verbenaca L. seeds showed a degree of purity superior to the Salvia atropurpurea L. The highest average percentage of germinated seeds occurred ata temperature of 20°C in both species. The rate of germination (T50) was highest ata temperature varying between 20- 30°C. The weight of one thousand seeds of Salvia was greater than the weight of an equal number of Scabiosa seeds. With the objective of characterizing the canopy structure, the measurement of the leaf area index (LAI) and the distribution of the angles of the leaves were analyzed in both species. The leaf area index, with referente to the photosynthetically active organs, was studied with the plant as a whole. In this way, the values collected were analyzed on the basis of dates of cutting and of treatment, either unmixed or mixed, the significant statistical difference (P<0,01) having been verified. In relation to the first year of experiments, and to unmixed sowing, in both species the values of LAI tended to rise, during the period January to June, with a pronounced fali starting froco June. In relation to the behaviour in mixed sowing, the values observed were lower than those for unmixed sowing, although it was observed that there was a similar tendency for evolution. In the second year of experiments and in unmixed sowing, a degree of equilibrium between the species was observed. In mixed sowing, the values obtained in both the species were significantly lower than those obtained from unmixed sowing. The correlations between the values of LAI and the densities of sowing, whether unmixed or mixed, were positive but not significant (P>0.05). A global analysis of the behaviour of the two species, whether unmixed or mixed, indicated a tendency for Scabiosa to show, on average, values of LAI higher than those for Salvia. The angles of the leaves were measured for layers during the seasonal cycle for the plants, both unmixed and mixed. In both of these situations, a tendency was noted for an increase in the average value of the angles throughout the succession of cutting dates, and as far as advanced from inferior layers to the superior. When mixed, the values for both the species tended to be lower than those obtained from unmixed sowing. Analyzing the results obtained in the second year, it was observed, that, in general, both species showed values superior to those obtained in the first year. A joint assessment of the two species, whether unmixed or mixed, shows that, on average, the angles of the leaves of Salvia were inferior to those of Scabiosa and that, in mixed sowing, this diference was more relevant. The values obtained were significantly different (P<0,01) among treatments. The correlation between the values of angles and the densities of sowing, unmixed and mixed, was positive but not significant (P>0,05). The production was assessed through periodic collections of phytomass, during the seasonal cycle of the species being studied. In the first year, and, referring to unmixed sowing, there appears to have been, in both species, the tendency for a peak of production in June. In mixed sowing, values were observed which, on average, were lower than those for unmixed sowing. The evolution of the dry weight of phytomass in Salvia appears to indicate the occurrence of a peak of production between April and May. Scabiosa appears to have attained maximum production in June. The second year of experiments shows higher leveis of phyotmass production, relative to the first year, in both species, there appearing to have been a tendency for a common peak of production in May. Mixed sowing showed a decrease in production, relativa to unmixed sowing. In the cases of mixed sowing, the behaviour of Scabiosa appears to have manifested the tendency for maximum production between May and June. The distribution of average values of phytomass in relation to dates of cutting and of treatment, whether for unmixed or mixed, was significantly different (P<0,01) in both years. The association between the distribution of values of phytomass and the densities of sowing produce a correlation that is not significant (P>0,05). A global assessment of the distribution of phytomass allows confirmation of a clear tendency, in that, on average, the production of Salvia was lower then the production of Scabiosa for the same densities of unmixed sowing. Mixed sowing maintained the same behaviour of Salvia in relation. to Scabiosa, even when the first specie had a higher density of sowing. It can thus be asserted that, in both species, production in rnixed sowing was significantly lower compared to that obtained from unmixed sowing. The phytomass was divided finto three componente, vegetativa structures, support structures, and reproductive structures. Thus, the vegetal structures, comprising leaves (green, yellow and dead) showed average values of dry weight which were significantly different (P<0,01) when analyzed in relation to dates of cutting and to treatments, whether unmixed or mixed, in both years of the experiment. The second year produced average values of dry weight that were higher than those in the first year. The correlations between the values of dry weight of leaves of both species and the density of sowing, unmixed or mixed, were not significant (P>0,05). The behaviour of each of the species was very different, showing lower values from mixed sowing compared with those, obtained from unmixed. However, Salvia revealed production significantly lower than that of Scabiosa, even in cases of higher density of sowing. This fact was equally noted in mixed sowing when Salvia had a sowing density higher than that of Scabiosa.
URI: http://hdl.handle.net/10174/11043
Type: doctoralThesis
Appears in Collections:BIB - Formação Avançada - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Maria da Conceição Martins Lopes de Castro - 95 932.pdf49.96 MBAdobe PDFView/OpenRestrict Access. You can Request a copy!
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois