Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10174/10490

Title: Terras & Efluentes (T&E) – uma mais valia para todos
Authors: cupeto, carlos
monteiro, simões
moreira, olga
duarte, elizabeth
figeueiredo, mª joão
Editors: Monteiro, António Simões
Keywords: sunicultura
efluentes
lamas
ambiente
sustentabilidade
sig
Issue Date: 31-Dec-2013
Publisher: Federação Portuguesa das Associações de Sunicultores
Abstract: Descrição de um projeto de investigação aplicada enquadrado no Grupo Operacional Efluentes do Horizonte 2020 do Ministério da Agricultura. A produção de efluentes tem sido um dos maiores problemas ambientais, com enormes custos associados, para os suinicultores. À luz das boas práticas é possível inverter esta situação. A Portaria n.º 631/2009, de 9 de Junho, estabelece as normas regulamentares a que obedece a gestão dos efluentes das atividades pecuárias. Entre outras indicações, estabelece que o encaminhamento, o tratamento e o destino final dos efluentes pecuários, incluindo dentro da própria exploração, só podem ser assegurados pelos seguintes procedimentos: a) Utilização própria ou transferência para terceiros para efeitos de valorização agrícola; b) Tratamento e descarga nas massas de água ou aplicação no solo; c) Tratamento em unidade técnica de efluentes pecuários; d) Tratamento em unidade de compostagem ou de produção de biogás; e) Tratamento em unidade de tratamento térmico ou de produção de energia ou de materiais. Pese embora a existência de outras opções para a gestão de efluentes pecuários, a alternativa técnica mais viável (em termos económicos, operacionais, etc.) para o encaminhamento destes efluentes é a valorização agrícola. É também esta a opção à qual o Regime de Exercício da Atividade Pecuária (REAP) dá prioridade numa perspectiva de incorporação no solo de matéria orgânica e nutrientes essenciais ao desenvolvimento das plantas, incluindo azoto, fósforo e potássio necessários ao desenvolvimento vegetal, de redução das adubações e de minimização dos impactes dos efluentes sobre o ambiente, podendo desta forma resultar economias significativas em fertilizantes inorgânicos. Complementarmente, a fertirega, a partir da fração líquida do efluente proveniente do separador de sólidos, atendendo ao seu elevado conteúdo em água, apresenta-se como uma solução interessante do ponto de vista da redução do consumo de água na agricultura, contribuindo para a prossecução do objetivo de aumento da eficiência do uso da água neste setor. Num contexto mais alargado, nacional e global, a valorização agrícola de efluentes pecuários constitui uma opção ambientalmente sustentável para o sequestro de carbono pelo solo e redução das emissões de CO2. Esta prática, que conduz a uma introdução de carbono no solo que de outra forma se perderia para a atmosfera, está na linha das orientações internacionais em matéria de alterações climáticas e contribui para a concretização dos compromissos assumidos por Portugal no âmbito do Protocolo de Quioto. Adicionalmente, contribui para a preservação dos recursos e otimização do ciclo de vida de alguns componentes, em particular do fósforo, cujas reservas são a nível mundial escassas. Conforme já referido, das várias alternativas técnicas de valorização dos efluentes pecuários, a valorização agrícola é a mais procurada, no entanto, a disponibilidade de terras e os procedimentos de encaminhamento do efluente são para os produtores as principais dificuldades nesta solução. Para o agricultor, uma vez que o procedimento de cedência de terras não é user friendly, comparativamente com a solução de compra do fertilizante, este não se mostra receptivo nesta solução. Assim, os interesses não se encontram num lugar comum - parcelas - não existindo por conseguinte uma mais valia para ambas as partes. A existência de uma solução que cruzasse a oferta de um “fertilizante” pecuário, devidamente caracterizado em termos de qualidade e quantidade e, a oferta de terras, também elas devidamente caracterizadas, quer em termos de necessidades culturais quer ao nível da qualidade do solo, e de condicionantes de ordenamento do território, facilitaria a criação de valor acrescentado ao efluente pecuário na melhoria da produtividade agrícola dos solos. Enquadrado pela legislação nacional vigente e pelas políticas nacionais e comunitárias em matéria de ambiente e alterações climáticas e agricultura, o Projeto Terras e Efluentes visa a conceptualização e a implementação de uma ferramenta que tem como principal objetivo a promoção da valorização agrícola de efluentes pecuários e simultaneamente fornecer informação aos agricultores da disponibilidade de nutrientes para as culturas. Este Projeto conta com os seguintes parceiros: i. Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores; ii. Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária I.P.; iii. Instituto Superior de Agronomia; iv. Universidade de Évora e, v. TTerra – Engenharia e Ambiente Lda.
URI: http://hdl.handle.net/10174/10490
Type: article
Appears in Collections:ICAAM - Publicações - Artigos em Revistas Nacionais Sem Arbitragem Científica
GEO - Publicações - Artigos em Revistas Nacionais Sem Arbitragem Científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
art_terras_efluentes_revista_suinicultura_jan2014.pdf1.03 MBAdobe PDFView/Open
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Dspace Dspace
DSpace Software, version 1.6.2 Copyright © 2002-2008 MIT and Hewlett-Packard - Feedback
UEvora B-On Curriculum DeGois